segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Obrigado a todos!!!

Depois de quatro anos, finalmente, acabamos a tal da faculdade. O que será que vem por aí?

Acredito que todos tiveram dificuldades, momentos de desespero, horas em que tudo parecia dar errado, mas, no final, tudo acabou da melhor maneira possível.

O que aprendemos com nossos erros, com a nossa vontade, com a nossa determinação, hoje, nos leva a um patamar diferenciado: somos Jornalistas.

Como tal, a partir de agora, tudo deve ser apurado, escrito de forma objetiva e com a maior clareza possível. Pelo menos é isso que eu imagino.

Dos primeiros dias, com 180 alunos, e uma algazarra absurda, até o dia de hoje, muitas pessoas passaram por nossas vidas. Umas irão continuar, outras, provavelmente, seguirão o seu caminho. Ainda bem que temos a internet, com as suas infindáveis redes sociais.

Cabem aqui, alguns agradecimentos. Pepe (fanfarroníssimo), Thiago Longo (o menino de ouro da tv), Edson Ribeiro (infelizmente não bebe cerveja), Patrick Mesquita (Celso Pitta), Bruno Gazzola, Gisele Simões, Camila Franco, Bárbara e Montanha (este foi o “cara”).
Para muitos dos nossos professores que, nos momentos mais delicados do curso, tiveram paciência com as minhas faltas e foram compreensíveis ao quadrado: Celso, Iêda, Sanches, Clóvis e Ivani.
À Juliana Petroni e à Tabata, que foram guerreiras ao longo desses anos. Ser mãe durante um curso não é para qualquer uma. Ao Maurício e à Camila Salmázio, muita sorte nessa nova fase. Michelle, tenho convicção de que você será uma das melhores mães do mundo.

Para um tiozão, de 37 anos, terminar o curso junto com uma rapaziada cheia de gás foi realmente maravilhoso. Tenho muito orgulho de me formar ao lado todos vocês, meninos e meninas. Exceção feita ao Montanha e ao João, é claro. Bem mais velhos que eu.

Peço humildes desculpas pelo meu jeito ranzinza de ser. Grosso, mal educado, estourado. No fundo, no fundo eu sou uma boa pessoa. Quem tomou cerveja comigo ao longo dos anos sabe... pelo menos, eu espero.

Tudo isso começou em 2005 e, agora, chega ao final. Não sei se terei paciência para um pós, sinceramente.

Aos meus filhos, que sempre estiveram ao meu lado. À minha mãe, mais que guerreira, uma super mãe. Mas, entre todas as pessoas, uma merece um destaque todo especial, Luciene Correia. Sem ela, sem suas broncas e seu incentivo, com certeza, eu não estaria aqui.

Creio que passaremos dezembro e janeiro sem sentir a falta que a faculdade nos faz, mas, em fevereiro, acho que vai doer. Vai bater a saudade.

Talvez não dos trabalhos, mas do dia a dia. Quantas pessoas nós conhecemos? Quantas delas nos tiraram do buraco em momentos ruins? Quantas nos ligaram em um dia ruim e, mudaram o rumo da história? Viraram mais que simples amigos ou amigas. Viraram nossos irmãos e irmãs.

Espero que possamos vencer os desafios que vêm por aí. A vida, o mercado de trabalho, os tropeços que teremos pelo caminho.

Para muitos, o curso não termina em dezembro, afinal, assim como eu, algumas pessoas ainda pagarão as mensalidades durante o ano de 2011. Essa é a parte dura da história.
Mas, vamos lá. Existe uma música da Legião Urbana que, na minha opinião, simboliza muito a respeito de todos nós.

“E nossa história não estará pelo avesso assim, sem final feliz
Teremos coisas bonitas prá contar. E até lá, vamos viver.
Temos muito ainda por fazer. Não olhe prá trás, apenas começamos
O mundo começa agora. Apenas começamos”.
Parabéns e muito obrigado a todos!