quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Carnaval e Torcidas Organizadas não se misturam

Mais uma vez, o que vimos ontem, no sambódromo paulistano, foi outro vexame da Gaviões da Fiel. Inflamados pela invasão de um componente da Império de Casa Verde, que pulou por sobre as grades para arrancar das mão dos organizadores, e rasgar as notas finais do quesito Mestre Sala e Porta Bandeira, os integrantes da torcida organizada foram responsáveis por um onda de selvageria que se estendeu além do Anhembi e ganhou as ruas da cidade.

Este é apenas o primeiro ponto. Além disso, ficou claro, mais uma vez que, futebol e carnaval não se misturam. É claro e evidente que todas as notas dadas para as escolas de samba são normais. O que me deixa perplexo é forma como as torcidas organizadas são julgadas. Os jurados colocam sempre em primeiro lugar, a paixão pelo seu time de coração e, com isso, sempre prejudicam os rivais.

A Mancha Verde, a Dragões da Real e a Gaviões da Fiel, jamais serão protagonistas do carnaval. Se o jurado for corinthiano, azar das outras e, assim sucessivamente. Dentro de uma normalidade, mesmo a Camisa Verde e Branco, rebaixada para o grupo de acesso, não recebeu nenhuma nota abaixo de 9,5. Então, torna-se inexplicável a nota 8,9 dada para a Gaviões da Fiel. Será que a nota foi dada com imparcialidade? Impossível.

Pelos investimentos feitos por todas as escolas, hoje, é inadmissível uma agremiação levar uma nota inferior a 9,5. O ideal seria banir as torcidas organizadas do carnaval e deixar somente as escolas de samba tradicionais. Aquelas que vivem 365 dias por ano apenas o carnaval. Isso facilitaria, em muito, o julgamento por parte dos jurados e deixaria de fora, selvagens que jamais possuirão espírito esportivo ou, no mínimo, educação para aceitar a derrota.

Em relação ás cenas de barbárie que se seguiram a pós a saída da Gaviões do Anhembi, não fosse a ação perfeita por parte da Polícia Militar do Estado, a tragédia teria sido pior. Um grupo de, aproximadamente, mil pessoas, invadiu a Marginal do Rio Tietê e bloquearam o acesso. Não contentes, atearam fogo contra um carro alegórico estacionado no páteo do sambódromo. A proximidade entre as torcidas, Mancha Verde e Gaviões, fez com que elas ficassem a menos de 100 metros uma da outra.

Mais uma vez, a operação militar foi um sucesso e impediu que as duas rivais se confrontassem em um ponto de grande movimentação da cidade. Outro detalhe: por que, enquanto todas as torcidas das escolas de samba podem conviver em harmonia durante a apuração e somente a Gaviões da Fiel tem acesso ao sambódromo? Se realmente a richa entre as torcidas se restringe ao futebol, seria normal que, as três torcidas estivessem reperesentadas no Anhembi. O que não aconteceu.

O carnaval é uma festa popular e não uma guerra. Não podemos aceitar o deslocamento de mais de 300 policiais militares, dois helicópteros e um número infindável de viaturas para escoltar verdadeiros marginais até uma escola de samba. Não é este o propósito da festa.

O saldo de tanta baderna: apenas duas pessoas presas. É muito pelo que as imagens das TVs mostraram. Muito pouco. Alguns desses integrantes se esquecem do tamanho do investimento que é feito para um evento como esse. Patrocinadores, redes de televisão, publicidade etc, tudo isso fica comprometido para o próximo ano.

Qual empresa terá vontade de investir em tamanho amadorismo? Quem terá coragem de ir ao próximo desfile?

A Liga Independente das Escola de Samba tem que tomar alguma atitude para que os acontecimentos de ontem, não se repitam. A exclusão das torcidas organizadas do desfile, com certeza, seria uma delas.

5 comentários:

Crônicas Alexandrinas disse...

O correto era eliminar as torcidas organizadas e, para evitar o que aconteceu ontem, fazer a apuração em um auditório fechado - de preferência em um hotel como o Transamérica - com um representante de cada agremiação. Para completar, a Liga precisaria agir com mais profissionalismo e fornecer estrutura suficiente para o evento. Aliás, uma festa que arrecada muito dinheiro...

Abs, Montanha

Anônimo disse...

Realmente o mais correto é que as escolas relacionadas a torcida não entrassem nem pra desfilar que dira pra competir pois afinal quem não sabe brincar, não brinca. Ja é o segundo ano que a torcida da gaviões faz essa barbaridade na Marginal, no ano passado eles ate quebraram e depredaram carros que passavam na ponte da Casa Verde, esse ano so não foi igual graças a nossa policia que estava escoltando os vandalos ate a quadra da sua escola... Parabéns a nossa PM.... Bjsss Flavia

Marcelo Gentofanti disse...

Meu amigo Marcos, e admissivel ver estes bandos organizados acabarem oque ha de bom em nossa cidade, mais uma vez a Gaviões da fiel juntamente com mais algumas Escolas de Samba, fizeram oque estão acostumados a fazer, levar terror aos cidadões paulistanos. Punir a gaviões e pouco tem que ser banida da Liga. precisamos moralizar...

Rê Michelotti disse...

Certamente não era para ser uma guerra, mas pelo visto muitos não entederam a diferença entre festa, diversão e a violência. É triste ver pessoas intolerantes perdendo a cabeça sem se preocupar com as consequencias de seus atos. Lamentável mesmo!!!

João Luis Pinheiro - Jornalista, escritor e poeta disse...

Olá Marcão! Desculpe o comentário atrasado. Concordo inteiramente com você. Ótimo texto!
Abraços