quarta-feira, 18 de abril de 2012

Matemática da vida


A vida funciona da seguinte maneira: se acumularmos problemas, eles serão cada vez maiores. Se dividirmos alegrias, elas serão cada vez menores. Matemática pura.

Se tivermos uma dívida e não a saldarmos, consequentemente, ela será maior no mês seguinte. Se sentirmos uma dor e não formos ao médico, evidente, que ela se tornará crônica. Já o contrário, se não beijarmos, abraçarmos, distribuirmos amor, aos poucos, essas pequenas alegrias se perderão pelo caminho. Definharemos e ficaremos ocos por dentro. Frios e sem sentimentos.

Temos a mania de dizer que tudo está errado e que nada dá certo em nossas vidas, e nos damos por satisfeitos, simplesmente, por conseguirmos sobreviver. Que vida é essa que pretendemos levar?

Neste momento, os problemas se tornam tão grandes que ocupam todo o nosso pensamento. Definhamos, sofremos, esquecemos que ao nosso redor, o mundo gira. E como gira.

Tentem fazer justamento o oposto. Dividam seus problemas e os resolva um a um. Em pouco tempo eles acabarão. Pelo menos irão diminuir, isso é fato.
Transformem o tédio em melodia. Sorriam pela manhã, à tarde e à noite. Beijem a pessoa amada e os entes queridos sempre que possível. Abracem os amigos. Multipliquem as alegrias. Dê atenção às pequenas e importantes coisas da vida como cordialidade, felicidade, companheirismo. Compartilhe sua vida como um todo e não apenas os problemas.

Não amanheça com a cabeça no trânsito, no ônibus lotado, nas contas para pagar. Imagine o carinho da volta. Você estará na sua casa, rodeado das pessoas que tanto ama e quer bem. No abraço dos pais, filhos, netos, marido, mulher, não importa.

A sua recompensa será: pessoas felizes e satisfeitas à sua volta. Quem sabe, sua conta no azul. Seus pais, filhos, namorada (o) e irmãos sorridentes por multiplicarem e compartilharem sua felicidade.

Vivemos apenas uma vez. Não podemos desperdiçar nosso tempo com lamentações. Devemos, sim, usarmos todo o tempo que temos com alegria e satisfação.

Lembrem-se: A vida só é possível reinventada. Reescreve sua história em busca de um final feliz!

Se gostou, compartilhe. Essa é a chamada Corrente do Bem!

8 comentários:

Camila Bandeira disse...

Adoro o jeito que vocÊ escreve! Parabens!

elaine lopes disse...

Marcos,

Tenha certeza de que se fizessemos metade do que escreveu já seriamos felizes.Quem semeia amor, colhe amor...PArabéns...

Bruna Vieira disse...

Lindo texto.Continue sempre com esses pensamentos.Assim,vc se tornará uma pessoa melhor do que você já é.

Pâmela disse...

Caraca Marcos simplesmente lindo! Amei Parabéns, continue nos prestigiando sempre com esses textos espetaculares.

Bel disse...

Parabéns , lindo texto !!!

Rê Michelotti disse...

Ninguém é de ferro e uma vez ou outra a gente acaba ficando meio de "farol baixo", mesmo sem perceber... Mas o importante é estar atento e não deixar a peteca cair mesmoooooooooooo... Porque se lamentar resolvesse os nossos problemas, certamente os teriamos em quantidade bem menor, dado o número de vezes que resmungamos por aí nossos dramas... Cada um deve encontrar a melhor forma de melhorar o seu dia e não perder tempo com coisas negativas ou que não agregam nada... Você deu boas dicas para aproveitar...beijar, abraçar, amar... Isso tudo é tão bom e revigorante mesmo! Eu tenho usado um meio de fuga para a "deprê" que as vezes quer me pegar... Distraio a mente com coisas alegres...divertidas...boas... partilho o meu tempo com quem gosto, fazendo o que me dá prazer e apenas com quem acabo descobrindo que realmente vale a pena! Adorei seu texto, super "Up"!!! Bjo grande jornalista!!!

Rê Michelotti disse...

Putz, meu comentário ficou um pouco grandinho..rsrsrs Me empolguei com teu texto!rs bjos

João Luis Pinheiro - Jornalista, escritor e poeta disse...

Meu caro Marcão! Vou utilizar as suas próprias palavras quando comentou um texto meu há algum tempo atrás: quanta evolução entre os seus primeiros escritos e este agora! Sensacional!! Você se superou! E deixou bem claro o ótimo momento que está vivendo. Parabéns e siga assim. Nos veremos em breve.
Abraços
João